Nossa personagem é exemplo de que os sonhos direcionam as nossas vidas e decisões.

Fernanda produzindo

Fernanda nasceu e cresceu numa pequena cidade do cerrado mato-grossense. Como a maioria das mulheres de lá, se dedicava às atividades de casa e sempre que podia viajava com o marido caminhoneiro ou ajudava o seu pai com gado. Apesar de gostar muito de estar perto da família, cuidando de todos, Fernanda queria ampliar seus horizontes, sempre quis cursar uma faculdade, mas não sabia por onde começar.

Nortelândia é uma pequena cidade do Mato Grosso que tem apenas seis mil habitantes. Durante muitos anos teve como principal atividade econômica o garimpo. Atualmente a cidade vive da agropecuária e as ofertas de emprego são escassas.

Quando o Projeto Sementeia (Mundaréu + Instituto Camargo Correia) foi apresentado, Fernanda que já adorava artesanato resolveu participar porque enxergou uma oportunidade de emprego, mas não acreditava que o empreendimento realmente vingaria. No decorrer das atividades ela se mostrou empreendedora e uma líder e tanto, dividia todos os seus conhecimentos com suas companheiras e está sempre em busca de  novos aprendizados.

Fernanda checando os e-mails do grupo

Os desafios propostos pelo projeto levaram- na a perder o “medo”, como ela mesma diz e aprender a mexer no computador. Para facilitar o acesso de todas as mulheres, comprou um netbook para checar os e-mails do grupo, o que fortaleceu a participação de todas na gestão do Arte da Mata.

“Se me perguntassem como funciona uma empresa antes do projeto, eu não saberia responder, eu não tinha ideia como começar um negócio… Hoje já tenho um pouco de conhecimento e é o que me faz continuar aqui e buscar ainda mais…” – Fernanda.

A administração do Arte da Mata foi outra barreira a ser vencida por Fernanda. Apesar da capacitação que as artesãs receberam através do projeto, ela percebeu a necessidade de saber mais, para gerenciar o empreendimento: está cursando o primeiro ano de Administração de Empresas, na Faculdade Integrada de Diamantina, cidade vizinha a Nortelândia.

Apesar de sentir- se distante da família, tornou-se uma mulher mais independente, vaidosa e encontrou no Arte da Mata um espaço que a ajudou a se descobrir!

    Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

    Os comentários estão encerrados.